| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Valdeck Almeida de Jesus
Desde: 05/08/2010      Publicadas: 481      Atualização: 27/08/2013

Capa |  Atualidades  |  Espaço do Escritor  |  LGBT na Imprensa  |  Manchete


 Manchete

  11/08/2010
  1 comentário(s)


Hoje usarei esse espaço para lembrar um amigo que faleceu recentemente: Luiz Paulo Lyrio de Araújo.

Fomos contemporâneos de Colégio Estadual. Ele no Clássico, eu no Científico. Isso foi no tempo em que o vestibular era feito por escola: para entrar na Escola de Engenharia, se fazia o vestibular de engenharia. As matérias eram Matemática, Física, Química e Desenho Geométrico. Quem preferia História, prestava vestibular para o Curso de História, da Faculdade de Filosofia, na Rua Carangola. Não sei quais eram as matérias cobradas.
Luiz optou pelas Ciências Humanas e eu, pelas desumanas. O sistema era muito complicado e foi substituído pelo atual vestibular.

Hoje usarei esse espaço para lembrar um amigo que faleceu recentemente: Luiz Paulo Lyrio de Araújo.
O Colégio Estadual era famoso pela sua participação no movimento estudantil secundarista. E por sua efervescência cultural. Henfil foi meu contemporâneo. Os irmãos Amilcar e Roberto Martins também. Luiz participava ativamente do movimento estudantil. Eu tinha uma participação mais discreta. Empregava a maior parte das manhãs, jogando xadrez no salão do barbeiro Renard, e das tardes, jogando no Clube de Xadrez de Belo Horizonte, na Rua Carijós.
Isso foi em 1966, 67. Veio 68, o ano que já acabou, e perdi contato com o Luiz. A sua trajetória, assim como a de muitos amigos, foi narrada no seu livro "Nos idos de 68". Ficamos quase quarenta anos, separados pelo tempo e pelo espaço. Foi justamente esse livro que acabou nos reaproximando.

Nesse meio tempo, Luiz seguiu lutando em duas frentes: como professor de História e como escritor. Escreveu um livrinho sobre a organização dos Grêmios Escolares, que deve ter ajudado muito o movimento secundarista a se reorganizar.

As reviravoltas da vida, que dispersaram aquela geração, foram nos endurecendo. Luiz continuou extremamente suscetível. Um comentário inocente, uma brincadeira de mau gosto, a mínima hostilidade, o abatia. Tinha aversão à burocracia. Quase todo ano, nos últimos dias de prazo, eu o ajudava com a sua declaração de imposto de renda. Com dois salários de professor, não haveria renda a tributar, se o nosso sistema fosse mais justo. Mesmo assim, não escapava da dentada do Leão.

Luiz tinha um olhar diferente, que o tornava um grande cronista. Seus contos nutriam-se da própria vida. Seus casamentos, seus amores, seus desenganos. Alguns eram simplesmente catárticos. Outros, quando ele conseguia se sobrepor ao sofrimento, eram deliciosos. Lembravam um pouco Gógol, de O capote e principalmente de O nariz.

Há um, meu preferido, A meio pau, que narra as desventuras de um órgão que escapa de seu dono. Ele jura que nunca leu O nariz. Eu acredito. A mesma sensibilidade fez com que Machado de Assis escrevesse "O Alienista" e Tchekhov "A enfermaria número 9".

A elaboração de "Nos idos de 68" foi trabalhosa. Exigiu muita pesquisa histórica, muita leitura de periódicos da época. Luiz brincava dizendo que não tivera a sorte de ter sido torturado. Reclamava da imprensa e da televisão, que só queriam entrevistar os medalhões que haviam sido presos, torturados e até exilados. Sentia-se excluído. "Nos idos de 68" conta a história do ponto de vista da massa que participava dos movimentos estudantis. Esse é um dos grandes méritos do livro.

É pena que essa suscetibilidade o tornasse inseguro. Luiz queria ser lido, preocupava-se bastante com a reação do leitor. Há um público que espera que todo conto seja uma espécie de fábula moral, com personagens bonzinhos, retratando fielmente a realidade. E com um final edificante. Esse não pode ser nosso referencial.

Ele sofreu um choque, quando a publicação de "Nos idos de 68" acabou coincidindo com a morte trágica de um amigo em comum, que também participava do movimento estudantil. Sentiu-se culpado, talvez porque esse amigo não fosse retratado sob uma luz muito favorável. Entrou em depressão e foi internado no Hospital do Ipsemg.

Foi justamente aí, que a vida nos reaproximou. Eu estava na Receita Federal, do outro lado do Parque Municipal e acabara de conhecer uma grande amiga, Clevane Pessoa. Pesquisando sobre 68, para um romance que vivo escrevendo, soube do livro de Luiz. Clevane, que também era sua amiga, contou-me onde ele estava. Fui visitá-lo e passamos a nos ver com freqüência.

Foi o período da Revista Estalo, que promoveu concursos e lançou inúmeros poetas e escritores. Pela primeira vez, fui publicado em papel. A proposta era um tanto quixotesca e a revista acabou fechando, como tantas outras. Luiz lançou mais alguns livros, pagos pelo próprio bolso: "Marcas de Baton", "Abdução", a nova edição de "Nos idos de 68" e "Vida depois da morte".

Eu era um pouco o seu Sancho Pança, ainda que ele não tivesse o físico do Cavalheiro da Triste Figura. Luiz não compreendia por que eu não me interessava em ser publicado, já que tinha dinheiro para bancar uma edição. Dizia que eu tinha obrigação de mostrar ao mundo a minha produção. Ser lido era um dever do escritor. Eu argumentava com o esquema cada vez mais mercantilista da literatura, com o número crescente de analfabetos funcionais, com a concorrência desleal das outras mídias. Dizia para ele: Luiz, meu amigo, seja menos Lyrico e mais Paulada. Não adiantava, ele seguia inconformado com o estado de nossas letras.

Mudou-se para Aracaju, em busca de ares mais amenos. Continuamos a nos falar pela Internet. Volta e meia, eu entrava no seu blog para deixar um comentário provocador. Nos últimos tempos, ele voltara a publicar um tablóide, Estalo, participava ativamente de vários movimentos culturais e parecia mais feliz. Infelizmente a saúde não ia bem. Havia sofrido três AVC e estava diabético. Fora fumante por muito tempo. Como a vida não é uma história com final feliz, morreu de câncer linfático, que não tem relação alguma com o fumo ou com a obesidade.

Antes de ele morrer, nos reencontramos no mesmo Ipsemg, numa quarta-feira. No domingo anterior, estava em Sete Lagoas, passando raiva com o meu Galo, quando o celular tocou. Era o filho André, contando que ele estava internado em estado grave. Na saída do jogo, falei com o próprio Luiz. A ligação estava toda cortada.

Minha mãe estava internada no Semper, pertinho do Ipsemg, com pneumonia. Na segunda, não tive tempo de visitá-lo. Na terça, cheguei quando o horário de visita havia terminado. Na quarta, conversamos um bom tempo. Foi a última vez que o vi. Achei que ele estava bem. Prometi que o veria sempre, embora, talvez, não pudesse ir todos os dias. Não pude voltar na quinta e nem na sexta. No fim de semana, seu filho me contou que ele estava no Otaviano Neves. Recebi a notícia de sua morte na segunda.

Luiz Paulo foi um batalhador abnegado. Lutou toda sua vida em defesa da cultura e da educação. Pagou com sua saúde e uma situação financeira precária. Não teve o sucesso que merecia, mas foi querido pelos que o conheceram de perto.

Se houver um outro lado, é justo que ele tenha um destino melhor. Imagino um céu dos escritores, onde não haja imposto de renda e nem Serasa. Onde as edições sejam em capa dura e papel couché e não custem um centavo. Onde não passe o BBB na televisão, só programas culturais. Onde seja proibida a entrada dos pitbulls de duas e de quatro patas.

Onde os tablóide não falem de futebol e nem de crimes, só de lançamentos e resenhas de livros. Uma ou outra foto de uma beldade seminua, porque ninguém é de ferro. Onde o escritor tenha sempre um photoshop amigo. E as gostosas também. Onde o Luiz possa pitar seu cigarro, comer um tropeiro com bastante torresmo, precedido de uma pinga de Salinas, sem temer enfisema, colesterol, diabetes e balança. E numa roda de amigos, comentar com o Maurício, dando uma risada gostosa: esse Marco só escreve bobagem. Essa história de céu é um plágio barato do Brancalleone.
Sossega e aproveita, Luiz.
  Web site: WWW.GALINHAPULANDO.COM  Autor: Marco Lisboa


  Mais notícias da seção Diversos no caderno Manchete
26/08/2010 - Diversos - CURSOS DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL PARA MULHERES TRAÍDAS
PROJETO NÃO PROVOQUE !Para que o recomeço seja mais fácil, a ONG Anjos do Mar capacita profissionalmente as mulheres que se separaram e dá apoio psicológico e jurídico A ONG Anjos do Mar está promovendo uma série de cursos inéditos para mulheres que foram traídas por seus parceiros e se separaram. Por serem também muitas vezes atingidas economicame...
14/08/2010 - Diversos - CIA.TÁVOLA DE TEATRO EMBARCA PARA O ESPÍRITO
CIA.TÁVOLA DE TEATRO REPRESENTA NORDESTE NO XI FESTIVAL NACIONAL DE TEATRO DE GUAÇUÍ...
08/08/2010 - Diversos - Gay Brasileiro conta segredos sexuais em blog
Desde criança que senti que era diferente dos outros meninos. Nunca gostei de jogar bola, por exemplo, e quando o fazia tinha difilculdade em ser agressivo " necessário nesse tipo de jogo. Eu me sentia "estranho", mas não sabia exatamente o que me fazia sentir aquilo. Não existia, em plena infância, a noção exata do que era o sexo, ou o que ato sex...
06/08/2010 - Diversos - Leonam Oliveira é eleito novo presidente da Academia de Letras de Jequié
Texto: Joe EdmanApós 11 anos de fundada, o que ocorreu a 20 de junho de 1997, a Academia de Letras de Jequié ( ALJ) ganhou um novo presidente último dia 2 de agosto.A festa de posse ocorreu na sua sede, localizada no Museu Histórico de Jequié. Leonam Oliveira, bioquímico e poeta, autor do livro de poemas "Cabelos ao vento", dentre outras produções ...
06/08/2010 - Diversos - Valdeck Almeida de Jesus na Wikipedia
Valdeck Almeida de Jesus (Jequié, 15 de março de 1966) é um jornalista e escritor brasileiro. Valdeck Almeida de Jesus é Verbete do "Dicionário de Escritores Baianos", Secretaria de Cultura e Turismo, Salvador, 2006; Membro da Federação Canadense de Poetas desde 2004; Membro da Associação Artes e Letras (França) desde 2005; Membro da Associação Int...
06/08/2010 - Diversos - Transexual de Salvador muda o nome civil
Conhecida como Leo Kret do Brasil, a quarta vereadora mais votada da capital baiana assegura sua identidade de gênero e se torna a primeira vereadora a conquistar esse direito....
06/08/2010 - Diversos - Troféu Luiz Mott de Cidadania Homossexual edição 2010
O GLICH - Grupo Liberdade Igualdade e Cidadania Homossexual, entidade que milita na defesa dos direitos humanos e na promoção dos Direitos Humanos e da Cidadania LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais), na prevenção das DST/AIDS e na promoção das pessoas vivendo com a HIV/AIDS, criou, em 2004, o Troféu Cidadania Luiz Mott, cujo objetivo é p...
05/08/2010 - Diversos - Jean Wyllys entrevistado no Fala galera do Porradão!
Televisão, política, homossexualidade, sociedade, entre outros assuntos, com Jean Wyllys. Quem pensa que esse cara é somente um ex-BBB que assumiu a homossexualidade na TV, está por fora! Além de ser jornalista, Jean é professor acadêmico, escritor, e está candidato a deputado federal pelo PSOL. Com um discurso politizado esse baiano arretado foi e...
05/08/2010 - Diversos - Jean Wyllys não é nenhuma novidade
"Fazer tipo", "posar de bom moço", "dissimular", "fingir" ou "enganar" são sinonímias que jamais combinariam com o escritor e jornalista baiano Jean Wyllys. Seja como candidato a cargo público, professor nas salas de aula ou nos bastidores da vida, celebridade midiática ou como um cidadão comum, Jean Wyllys de Matos Santos não mudou nada. A históri...



Capa |  Atualidades  |  Espaço do Escritor  |  LGBT na Imprensa  |  Manchete
Busca em

  
481 Notícias